Make your own free website on Tripod.com

 

         ... ASSIM DIZ O SENHOR  ...

 RETORNAR PARA A PÁGINA MATÉRIAS

  RETORNAR A PÁGINA INICIAL

Ser Levado ou Ser Deixado? 

 Mateus 24:37   Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem.

Mateus 24:38   Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,

Mateus 24:39   e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem.  

Mateus 24:40   Então, dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro;

Mateus 24:41   duas estarão trabalhando num moinho, uma será tomada, e deixada a outra.

Mateus 24:42   Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor.

Lucas 17:34   Digo-vos que, naquela noite, dois estarão numa cama; um será tomado, e deixado o outro;

Lucas 17:35   duas mulheres estarão juntas moendo; uma será tomada, e deixada a outra.

Lucas 17:36   [Dois estarão no campo; um será tomado, e o outro, deixado.]

Lucas 17:37   Então, lhe perguntaram: Onde será isso, Senhor? Respondeu-lhes: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão também os abutres.  

Quando apresentamos as passagens anteriores a um cristão e lhe perguntamos se ele prefere ser levado ou ser deixado, a grande maioria as respostas são que preferem ser levado. Porque? Porque, em geral, embora sem qualquer fundamento, associamos esta passagem ao arrebatamento, ou seja, ao ir ao encontro do Senhor nos ares. Se esta também é a sua idéia acerca destas passagens, continue a ler.......  

A questão que se coloca quando analisamos as passagens acima transcritas é se quando Jesus diz que “Um será tomado, e o outro será deixado” Ele está dizendo que quem é tomado é levado ao encontro do Senhor nos ares, como vulgarmente se pensa, ou se nos está a dizer outra coisa.  

Vejamos o contexto. Na passagem de Mateus, Jesus claramente nos diz que os dias  que antecederão a sua segunda vinda, serão como nos dias de Noé:

“Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos....”  

Jesus aqui está a dizer-nos que a humanidade daquele tempo vivia muito absorvida com as coisas mundanas em sua vida do dia a dia e não se encontrava lugar par Deus nas suas vidas, quando, na realidade, Ele deve ter a primazia em tudo. O que é que sucedeu a estas pessoas? Foram levadas pelas águas do dilúvio. Foram levadas para a morte. “Ser levado” aqui é uma coisa má. Conduz a morte e não a vida. Note-se que Jesus está a falar  do mundo e mais adiante, na parábola do bom e mau servo, confirma-o quando nos fala deste último:

Mateus 24:48   Mas, se aquele servo, sendo mau, disser consigo mesmo: Meu senhor demora-se,  

Mateus 24:49   e passar a espancar os seus companheiros e a comer e beber com ébrios,  

Mateus 24:50   virá o senhor daquele servo em dia em que não o espera e em hora que não sabe

Mateus 24:51   e castigá-lo-á, lançando-lhe a sorte com os hipócritas; ali haverá choro e ranger de dentes.  

A mensagem é exatamente a mesma. O mau servo passava seu tempo dêspreocupadamente a comer e a beber, a semelhança dos tempos de Noé e em semelhança deles, também este será levado para um lugar onde haverá prantos e ranger de dentes.  

Claramente, “ser levado” nestes dois exemplos que definem o contexto da passagem não é uma coisa muito boa. “Ser levado” não é sinônimo de arrebatamento e salvação, mas sim de juízo e morte. Noé entrou na arca para “não ser levado” pelo dilúvio.  

É neste contexto que Jesus nos diz nos versos 40-41 que:

“Então, dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro; duas estarão trabalhando num moinho, uma será tomada, e deixada a outra.”  

Lucas não nos dá tanto detalhe quanto Mateus, mas o contexto é o mesmo, os últimos dias serão como os dias de Noé:

Lucas 17:26:   Assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do Filho do Homem:

Lucas 17:27:  comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e destruiu a todos.  

Lucas 17:28:   O mesmo aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam;  

Lucas 17:29:   mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre e destruiu a todos.  

Lucas 17:30:   Assim será no dia em que o Filho do Homem se manifestar.  

Encerra no entanto o discurso com um versículo bastante elucidativo:

Lucas 17:37:   Então, lhe perguntaram: Onde será isso, Senhor? Respondeu-lhes: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão também as águias.  

AS ÁGUIAS E O CORPO  

Os discípulos perguntam a Jesus qual o destino dos que serão levados e Ele responde: “Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão as águias”. (Algumas traduções trazem abutres)

Há quem diga que o “o corpo” é a igreja (corpo de Cristo) e as águias são os anjos, mas vejamos melhor.  

O CORPO  

Em primeiro lugar, a passagem paralela a esta, está em Mateus 24:28, diz:

“Pois onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão as águias”  

A palavra grega traduzida “cadáver” é “ptoma” que, de acordo com o “Complete Word Study Dictionary”, significa: “corpo morto, cadáver, carcassa...figurativamente refere-se a qualquer coisa caída como as ruínas de uma casa”. Portanto, o local onde se reúnem as águias, é um local onde existem corpos mortos.  

A palavra grega usada em Lucas não é “ptoma” mas sim “soma” que significa “corpo” e é usado várias vezes no Novo Testamento para representar o corpo de Cristo. Mas também significa “corpo” em sentido individual, ou seja, corpo humano, tanto vivo como morto. De acordo com Mateus, é este último sentido que devemos adotar em Lucas. A conclusão é a mesma: o local onde as águias se reúnem é um local onde existem corpos mortos.  

AS ÁGUIAS  

A palavra grega aqui traduzida “águias” é “aetos” que significa: “águia ou abutre”. Uma vez que a imagem aqui é a de um conjunto destas aves reunidas em torno de cadáveres, o significado mais correto será provavelmente, “abutres”.  

Estas passagens não nos falam de nenhum arrebatamento, mas sim de pessoas a serem levadas para serem julgadas e mortas, e das aves de rapina a consumirem seus cadáveres. Estas passagens compreendem-se melhor a luz de Apocalipse 19: 17-21.

“Então, vi um anjo posto em pé no sol, e clamou com grande voz, falando a todas as aves que voam pelo meio do céu: Vinde, reuni-vos para a grande ceia de Deus,  para que comais carnes de reis, carnes de comandantes, carnes de poderosos, carnes de cavalos e seus cavaleiros, carnes de todos, quer livres, quer escravos, tanto pequenos como grandes.  E vi a besta e os reis da terra, com os seus exércitos, congregados para pelejarem contra aquele que estava montado no cavalo e contra o seu exército. Mas a besta foi aprisionada, e com ela o falso profeta que, com os sinais feitos diante dela, seduziu aqueles que receberam a marca da besta e eram os adoradores da sua imagem. Os dois foram lançados vivos dentro do lago de fogo que arde com enxofre. Os restantes foram mortos com a espada que saía da boca daquele que estava montado no cavalo. E todas as aves se fartaram das suas carnes”.  

Autor: Rui Quinta

Enviado por:José Pedro de Oliveira

 

Envie-nos seu comentário, duvida, sugestão ou texto:

bibliavital@hotmail.com.br

 

RETORNAR PARA AO INICIO DESTA PAGINA

RETORNAR PARA A PÁGINA MATÉRIAS

  RETORNAR A PÁGINA INICIAL